Folding com o Google Chrome

Por Celso Azevedo em 12 de Abril de 2015 - Tecnologia

No inicio de 2014 foi lançado um cliente de folding que permite foldar usando o Google Chrome. É simples, rápido e não precisa da instalação de qualquer software adicional, tornando o folding numa tarefa que pode executada em qualquer computador que tenha o Chrome instalado. Embora seja muito fácil de usar, alguns newbies têm questões sobre ele. Neste post vou falar nos prós e contras e em como usa-lo.

Folding Icon

Antes de começar e para que este post faça sentido, é importante saber o que é o folding. TL;DR: O folding permite ajuda a comunidade científica a perceber melhor como é que doenças como o cancro, alzheimer, diabetes, parkinson, etc, funcionam. O objectivo final é encontrar soluções para estes problemas de saúde que podem afectar qualquer pessoa.

Prós e Contras de Foldar com o Chrome

É possível foldar usando um cliente para Windows (… Mac, Linux, etc) ou usando o Google Chrome. O cliente é bom numas situções, o Chrome é melhor noutras.

Prós:

  • Foldar usando o Google Chrome é muito mais simples;
  • As Work Units (tarefas) são mais pequenas, por isso terminam mais depressa (bom para hardware fraco);
  • Não requer nenhuma configuração avançada;

Contras:

  • O Chrome usa apenas o CPU (processador) enquanto que o cliente permite usar também GPU’s (placa gráfica);
  • Com o Chrome não é possível entrar em betas ou configurar vários aspectos que podem influenciar na performance do folding;

Por outras palavras, se estiveres a usar um portátil, um computador antigo ou um computador com hardware “fraco”, usa o Google Chrome. Se tiveres um computador potente, usa o cliente.

Doações para Projectos Gratuitos e Open Source

Por Celso Azevedo em 26 de Abril de 2014 - Tecnologia

DonationUso no dia-a-dia vários programas e serviços gratuitos. Não me lembro de ter perdido muito tempo a pensar nos criadores, no tempo que gastaram e no trabalho que tiveram para criar uma coisa que depois é usada gratuitamente por milhares de pessoas que só se lembram do criador quando querem reclamar de alguma coisa.

É verdade que organizações como a Mozilla não precisam da minha doação de 20 ou 30 euros nem ficam felizes porque alguém se lembrou de contribuir. São grandes de mais para isso. Mas para um pequeno developer que desenvolve uma aplicação no seu tempo livre, os comentários e contribuições que recebe podem motivar o abandono ou a continuação do trabalho que está a fazer.

Este mês listei os programas/ferramentas gratuitas que uso e fiz várias doações. Não foram doações grandes, não passei os 30 dólares por doação, mas é melhor do que nada. No caso de um programa que uso, o tunnelblink, doei 20 dólares mesmo tendo uma alternativa (viscosity) que custa apenas 10.

Qual é o meu objectivo com este post? Simples: incentivar quem usa ferramentas gratuitas a contribuírem para o desenvolvimento delas. Façam uma doação, ajudem no desenvolvimento, façam a tradução para a vossa língua, etc. Se mais pessoas contribuírem, mais e melhores ferramentas gratuitas vamos ter. 🙂

Snowden, Big Brother e Algumas Mudanças

Por Celso Azevedo em 10 de Janeiro de 2014 - Opinações, Tecnologia

É rara a semana que não aparece uma nova notícia que fala no sistema de espionagem que países como os EUA e Reino Unido criaram, com a ajuda de outros países como o Canadá, Suécia, entre outros. Para ser sincero, não fiquei tão chocado pelas informações que os documentos que o Edward Snowden passou para a imprensa mostram.

Já tinha lido algumas coisas sobre este assunto da privacidade online. Não fazia ideia de que até andavam a meter back doors no meu sistema operativo nem que enfraqueciam a encriptação, mas tinha consciência que principalmente os Estados Unidos estavam a abusar (normal, com as leis que aprovaram depois do 11 de setembro, tinha que dar merda).

Sou contra este nível de espionagem contra a população. Não me venham com a conversa do terrorismo porque até mesmo com esta vigilância toda o terrorismo acontece, para não falar em algumas explicações oficiais que deixam muitas dúvidas no ar. Prefiro um pouco de medo a ficar sem privacidade e liberdade. Além disso, haverá sempre abusos e o risco do big brother ser usado contra nós.

1984

O Big Brother, filme 1984.

O Chrome já não é o que era

Por Celso Azevedo em 18 de Junho de 2013 - Opinações, Tecnologia

ChromeEm 2011, depois de comprar o meu macbook pro, aproveitei a mudança de sistema operativo para testar os browsers mais conhecidos no novo sistema. Até aí usava sempre o Firefox e estava satisfeito com ele, mas o design da versão para mac não encaixava na perfeição com o design do OSX e então passei alguns dias a testar o Safari e o “novo” Chrome.

O Safari tinha as opções básicas, era rápido, integrava-se melhor com o sistema operativo, mas tinha (e continua a ter) poucos plugins e os plugins que tinha, normalmente tinham menos qualidade que as versões para Firefox (o firebug é um desses exemplos).

Decidi então testar o Google Chrome. Era um browser com uma aparência simples e leve, era rápido a abrir e a carregar páginas, atualizava sozinho e não era necessário instalar flash e outros plugins. Depois da experiência passei a usar o Firefox apenas quando precisava de usar o firebug e até agora tem sido o meu browser principal.