Como vivo fora de Portugal, registei-me para votar via correio. Hoje recebi uma carta registada com o meu boletim de voto.

Como esta é a primeira vez que vou votar via correio, comecei a ler a carta com as instruções e reparei que no fim colocam um link e QR Code “para mais informações”. Este link chamou-me à atenção por ser de um serviço que encurta endereços e não um endereço de um site do estado/governo.

Voto Postal URL

Link na carta/envelope com as instruções para votar corretamente.

Alguns problemas com isto:

  • É um serviço gratuito, brasileiro, com servers nos EUA, operado por privados. Não há nenhuma garantia se vai estar online até as eleições, se vai encerrar ou se vão passar a servir, sei lá, malware.
  • Guardam informação sobre o número de visualizações, IPs e no caso de seguirmos o link a partir de outro site, o site/página de referencia. Qualquer pessoa tem acesso a esta informação, basta adicionar um “-” ao final do endereço.
  • Podem mudar o endereço da página de destino se quisessem (ex: redirecionar para página de um candidato/partido). Num momento em que cada vez mais vários países se intrometem nas eleições especialmente na internet, parece-me ser uma péssima ideia usar um serviço destes.

A razão para terem encurtado o endereço é fácil de perceber. É um URL grande, difícil para copiar:

https://www.sg.mai.gov.pt/AdministracaoEleitoral/EleicoesReferendos/AssembleiaRepublica/Documents/AR2019VE_Instrucoes.pdf

Deviam ter usado um site/serviço do estado que permitisse criar endereços curtos que redirecionam para o conteúdo original (mais ou menos o que o GOV.UK faz…) mas usaram um serviço gratuito. 🤦

Edit:

  • O link foi removido do PDF. Espero que não aconteça novamente no futuro.
  • Embora o envelope tenha um “selo” pré-pago e a carta explique que não devemos pagar pelo envio, o Royal Mail (Reino Unido) não reconhece e acaba por devolver a carta. Tive de ir ao correio e pagar para enviar. Segundo o podcast “Revista da Semana” da RTP, o mesmo problema está a acontecer na Austrália.