É rara a semana que não aparece uma nova notícia que fala no sistema de espionagem que países como os EUA e Reino Unido criaram, com a ajuda de outros países como o Canadá, Suécia, entre outros. Para ser sincero, não fiquei tão chocado pelas informações que os documentos que o Edward Snowden passou para a imprensa mostram.

Já tinha lido algumas coisas sobre este assunto da privacidade online. Não fazia ideia de que até andavam a meter back doors no meu sistema operativo nem que enfraqueciam a encriptação, mas tinha consciência que principalmente os Estados Unidos estavam a abusar (normal, com as leis que aprovaram depois do 11 de setembro, tinha que dar merda).

Sou contra este nível de espionagem contra a população. Não me venham com a conversa do terrorismo porque até mesmo com esta vigilância toda o terrorismo acontece, para não falar em algumas explicações oficiais que deixam muitas dúvidas no ar. Prefiro um pouco de medo a ficar sem privacidade e liberdade. Além disso, haverá sempre abusos e o risco do big brother ser usado contra nós.

1984

O Big Brother, filme 1984.

Mudanças

Depois das revelações do Snowden passei a ter mais cuidado com o que faço online e como faço. Deixei de usar alguns serviços, passei a usar outros. Algumas coisas deixei igual por não ter muitas alternativas.

Dropbox, Google Drive, Cloud no Geral

Usei o Dropbox durante muito tempo para manter pastas sincronizadas entre computadores e manter uma cópia de conteúdo fora do computador para o caso de alguma coisa acontecer. Inicialmente até tinha documentos e conteúdo familiar (fotos, por exemplo) lá, mas depois de me aperceber que de vez em quanto tinham uns problemas de segurança, usava apenas para conteúdo menos importante.

Depois dos leaks deixei de usar o Dropbox. O Google Drive também era importante para guardar alguns backups, mas deixei de usar o serviço também (comprei um disco externo de 2TB).

Para não depender de empresas destas, uso o BTSync Syncthing para manter pastas sincronizadas entre computadores.

Browser e Navegação na Internet

Eu uso o Chrome. Desde o inicio usei as definições por omissão, os bookmarks, passwords e histórico eram enviados para os servidores da Google e tinha o browser igual em todos os computadores, tablet e telemóvel.

Embora isto seja útil em alguns momentos, não é necessário que a Google saiba sempre por onde ando. Passei a sincronizar apenas os bookmarks (que não contêm assim muita informação) e manualmente mantenho as mesmas extensões nos computadores. Toda a informação excepto o histórico é apagado quando fecho o browser. Nada de cookies e outras manhas para me seguirem.

Ainda pensei em mudar para o Firefox, mas como já disse, ficou para trás e não é uma solução neste momento.

Passei a usar dois plugins que até a altura não usava: Adblock Plus e Ghostery. Assim além de não ver publicidade, complico a vida das redes sociais tipo facebook que sabem por onde ando através dos botões “like” e comentários. O único problema é que as vezes alguns sites não funcionam bem com estes plugins activos.

Outro plugin (e neste caso, programa também) é o 1password. Como toda a informação é apagada sempre que fecho o browser, tenho que fazer login nos sites e este programa facilita muito a vida. É só usar um shortcode e tá feito.

Email

Ah, o email. Uso o Google Apps Fastmail com um domínio próprio, já tentei encontrar outra solução, mas alojar o email é complicado de mais para um utilizador com os meus conhecimentos e experiência.

É uma coisa para ver nos próximos tempos. Ver se vale a pena alojar o email, se existem outras soluções a altura, etc.

VPN Privada

Segundo a informação que veio a público, estão a manter logs dos sites que visitamos. Não visito nada ilegal nem tenho nada a esconder, mas porque raio devem de ficar com essa informação? 

Para tentar esconder essa informação, aluguei uma VPS e instalei o OpenVPN. Inicialmente ia escolher uma empresa que prestasse esse serviço, mas aparentemente as maiores empresas não são assim tão seguras ou privadas.

Esta solução não é perfeita, mas é melhor do que não usar nada.

Calendários, ToDo Lists, Etc

Eu nunca usei a sério estas ferramentas para organizar as minhas tarefas. Conheço pessoas que confiam no Google Calendar para gerir tudo. Estava a começar a usar principalmente no telemóvel, mas parei e fiz algumas alterações.

Como quase sempre trabalho a partir de casa, tenho o meu caderno de apontamentos sempre perto de mim. Uso ele para organizar as minhas tarefas em vez de serviços online. Continuo no entanto a usar o ToDoist, sem colocar lá muita informação.

Redes Sociais, Aplicações, Chats e Opiniões

Deixei de partilhar tanta coisa nas redes sociais e com a ajuda do Adblock Plus e Ghostery não deixo que principalmente o Facebook me siga.

Normalmente não me preocupava com o facto de ter o GPS ligado no tablet ou telemóvel com algumas apps a obterem a minha localização exacta. Isso mudou e tenho tudo desactivado, ligo apenas quando é mesmo necessário.

Não fiz grandes mudanças na forma como uso o Skype, chat do facebook, sms, etc. Uso mais para trabalho, as vezes passo semanas sem usar.

Comecei a ter também mais cuidado com o que escrevo e partilho em público. Um simples comentário pode conter muita informação sobre uma pessoa e não estou lá muito interessado em que os espiões saibam se sou de direita ou esquerda, se apoio ou sou contra um determinado assunto. Além disso, aquilo que agora pode ser uma opinião válida, no futuro pode ser usada contra nós.

Computadores, Telemóveis e Tecnologia em Geral

Uma coisa é certa: vou fazer os possíveis para não comprar consolas de jogos ou telemóveis que estão a escutar ou a ver 24 horas por dia o que faço. Também não vou comprar televisões que enviam a informação do que vejo para a empresa que a produziu.

Não quero com isto dizer que o meu próximo telemóvel vai ser um Nokia 3310, mas vou ter cuidado ao comprar.

Paranóia?

Nem por isso.

Fiz estas alterações porque não me agrada o que estão a fazer. Ainda por cima vivo num país que se está a fechar demasiado em algumas áreas… até já querem criar firewalls que bloqueiam o que não lhes interessam (e o chineses é que são maus!).